sexta-feira, 1 de agosto de 2008

TCU quer mudar regras para novas hidrelétricas

by Ivo Pugnaloni 5 comments

Fonte: InfoEner

A fim de evitar novos conflitos como o que se anuncia em torno da usina de Jirau, no rio Madeira, o Tribunal de Contas da União (TCU) quer introduzir uma nova regra nos próximos leilões de hidrelétricas: a criação de barreira para impedir que empresas responsáveis pelos estudos de inventário e de viabilidade participem da licitação do mesmo projeto. A recomendação foi feita ontem pelo tribunal, que julgou duas representações - do Democratas e do deputado federal Carlos Willian (PTC-MG) - em que contestam as mudanças anunciadas pelo consórcio Energia Sustentável do Brasil (Enersus), liderado pela multinacional Suez Energy, no projeto de engenharia da usina hidrelétrica de Jirau.As representações foram encaminhadas, sem alarde e nenhuma divulgação pública, nos dias 19 e 22 de junho, pouco mais de um mês após a vitória da Suez no leilão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Ao julgar o processo, os ministros do tribunal endossaram a análise técnica, que defendeu o resultado da licitação. "Não se vislumbra, em princípio, irregularidades ou ilegitimidades no pleito do consórcio vencedor", concluíram os técnicos do TCU, no relatório enviado aos ministros.Os analistas ponderaram que a Aneel e o Ibama ainda deverão avaliar a nova localização proposta pelo Enersus, que alterou em nove quilômetros o eixo da usina e com isso promete diminuir os impactos ambientais, além de reduzir o investimento necessário em R$ 1 bilhão. "Na hipótese de que esse novo arranjo não interfira na geração de Santo Antônio [a outra hidrelétrica do Madeira, cujo leilão foi vencido por consórcio liderado pela Odebrecht e Furnas] e nem redunde em um nível maior de degradação ambiental, conclui-se que o novo arranjo é bem mais vantajoso do que o proposto nos estudos prévios, na medida em que há uma diferença significativa no valor da obra e no prazo de execução", diz a análise do TCU.Dividido em 67 tópicos, o relatório técnico do tribunal contraria frontalmente a linha de argumentação formulada pelos deputados democratas Rodrigo Maia (RJ) e José Aleluia (BA), bem como a de Carlos Willian, que aparentam total sintonia com os argumentos do consórcio Jirau Energia (Odebrecht e Furnas). Ao citar o deságio de 21% no leilão da usina, cujo lance vencedor foi de R$ 71,40 por megawatt-hora, o relatório conclui: "Desde que não haja comprometimento das licenças e autorizações já exaradas e de características técnicas que serão examinadas pela Aneel, entende-se que essa redução é bem-vinda e se coaduna com os princípios da modicidade tarifária e da proposta mais vantajosa para a administração [pública]". Na conclusão, o relatório defende que as empresas responsáveis pelos estudos fiquem impedidas de participar dos leilões, para evitar "conflitos de interesse" e garantir o "princípio da isonomia". Se essa tese prosperar, pode gerar uma reviravolta nos preparativos do leilão de Belo Monte, usina no rio Xingu (PA) com potencial para mais de 11 mil MW, que deverá ser licitada em 2009. "Essa colocação faz ensejar a necessidade da revisão do modelo como os estudos de viabilidade e de inventário são financiados, pelo menos para os megaempreendimentos como Jirau, Santo Antônio e, em breve, Belo Monte. Na medida em que se permite que os executores dos estudos de viabilidade e de inventário participem do leilão de energia, estabelecem-se possibilidades danosas de conflitos de interesses, na forma de assimetria de informações, uma vez que podem influir na melhor escolha das repartições de quedas, prejudicando assim incontestavelmente o princípio da isonomia." Já no voto do ministro-relator, Benjamin Zymler, e no acórdão final o tribunal foi mais cauteloso. Sem acatar a argumentação das representações, os ministros determinaram à área técnica que "acompanhe os desdobramentos" do leilão e veja o impacto das mudanças propostas pelo Enersus "tão logo seja assinado o contrato" de concessão da usina.

Comments 5 comments
Thomas Alva Edison disse...

Será que não era o caso do TCU analisar a mudança das regras para PCHs ?

Jackson disse...

A Associação dos engenheiros da Petrobrás não costuma se enganar em suas informações.Mas essas precisariam ser checadas.É muita coisa!Segundo elas, a ANP a Agencia Nacional do Petroleo passa por um momento muito esquisito: seu presidente é um comunista declarado, deputado do PC do B, mas quem administra o banco de dados dos leilões de novas áreas de exploração é a Halliburton, empresa da qual o vice-presidente Dick Cheney foi presidente. Até aí tudo bem. O problema é que não houve licitação para o contrato, anterior a 2002 e agência até hoje não atendeu a uma determinação do Ministério Publico Federal para sanar a irregularidade.É o Luiz Carlos Azenha quem informa.
http://www.viomundo.com.br/denuncias/a-raposa-esta-no-galinheiro/

Marcelo Chung - SP disse...

O QUE VALE PARA AS UHES NÃO VALE PARA PCHS. Não adianta. A 395/98 está velha, atrapalha os realmente interessados e deve mudar.Proprietários de terra tem mais é que ser indenizados e não incomodar a marcha do progresso.O Brasil precisa de energia, chega de paternalismo com gente que não está nem aí com o aproveitamento que tem em sua porta e não se interessa em aproveitar. A ANEEL está mais do que certa e a lei não protege aos que dormem no ponto.

Ivo Pugnaloni disse...

Marcelo:

Sua opinião é muito bem vinda!Embora não concorde em quase nada com ela...FOI para isso que restauramos o estado de direito e eu criei esse blog. Não há lugar para troca de opiniões na internet sobre o setor elétrico.Aí ficam só as opiniões oficiais, consolidadas...Falta debate entre as pessoas, pois as empresas e organizações já tem suas próprias formas de tratar de seus assuntos, não acha!Obrigado e quando quiser mandar um artigo completo mande que eu publico com certeza! Mas pense melhor nessa sua opinião...Tem certeza do que v. está falando?

Mario disse...

Sou estagiário em uma comercializadora de energia.Faço terceiro ano de Administração e também me parece correta a posição da ANEEL. As perdas com ela são inferiores às vantagens.

Ivo Augusto de Abreu Pugnaloni
Engenheiro eletricista, ex-diretor da COPEL, atual diretor da ENERCONS Consultoria em Energia Ltda.
ivo@enercons.com.br

Receba novos posts por e-mail

Parcerias

Portal PCH CERPCH

Categorias

Apresentações

IV Conferência de PCH - Mercado & Meio Ambiente

IV Conferência de PCH - Mercado & Meio Ambiente
Ivo Pugnaloni apresenta contra a proposta da ANEEL que defende fim do critério das terras para autorizar PCHs.

________________________________

Comissão de Agricultura e Desenvolvimento Rural da Câmara

Mudanças na Regulamentação de Pequenas Centrais Hidroelétricas pela Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL
Apresentação de Ivo Pugnaloni contra a proposta da ANEEL , que instituiu a preferência exclusiva, para o autor do inventário, no processo de autorização de PCHs.